domingo, 1 de abril de 2007

O tempo não passa

Hoje sei que tenho que voltar a mergulhar para bater asas
Espelhar as minhas desilusões em ti não me trará nada de novo
Sem querer torno os meus sonhos páginas de vida num caminho solitário

Luto por construir a minha colónia
Mas entre avanços e recuos perco as forças
Onde estás que não me ouves?

Já não sei se me dedique a ti ou a mim
Sinto que já lá estive mas que me perdi

Enquanto isso conto as horas e os minutos
E lembram-me que sou jovem

Um comentário:

Borboleta disse...

Antes de tudo dedica-te sempre a ti, e só depois aos outros:) E não esperes que te tragam flores... Planta tu o teu próprio jardim.
Bem vinda e obrigado por teres passado pelo meu Universo.
Bom resto de domingo para ti tb.